Os quatro quadrantes da Ética

Felizmente nossa sociedade está sendo acometida pela cultura da ética. Mesmo com os constantes maus exemplos que nossos políticos insistem em nos dar, estamos mais conscientes e com uma tolerância cada vez menor a comportamentos que demonstrem desvio de conduta. Nossa realidade ainda está longe do razoável, mas estamos evoluindo.

A amplitude da ética é muito grande e talvez por isso não nos demos conta à primeira vista, da evolução que estamos experimentando. Um exemplo bem recente é o aquecimento global. Os países que não assinaram o protocolo de kyoto foram antiéticos com o planeta e com a própria humanidade, no entanto em poucos anos nós amadurecemos e ficamos mais críticos. Agora “pega mal” ser do contra. Mesmo nos tempos mais remotos, quando não ouvíamos falar em aquecimento global ou efeito estufa, já era antiético poluir, degradar a natureza e utilizar recursos não renováveis de maneira inconsequente. Mas nós não éramos éticos, pelo menos a maioria de nós, em relação a este assunto.

Hoje somos mais éticos em relação à prostituição infantil, em relação à fome, em relação à educação.  Vivenciar uma cena de corrupção nos choca mais; quando um guarda de trânsito faz insinuações sobre propina ficamos revoltados. Estamos evoluindo sim!

O avanço da ética é o que caracteriza de forma mais marcante o nível de uma civilização. Quanto menos ético um povo, mais primitivo ele é. Quanto mais ético, mais evoluído culturalmente e melhor é a qualidade de vida naquela nação.

Nas corporações o discurso em prol da ética está cada vez mais usual, principalmente entre empresas de capital aberto, afinal nenhum investidor vai colocar dinheiro numa empresa cujas intenções são desconhecidas. Transparência e foco são fundamentais para a saúde de empresas com ações na bolsa. E a melhor maneira de fazer isso é dizendo, ou melhor, escrevendo, divulgando e exemplificando qual o posicionamento ético da empresa.

Quando uma empresa não tem um código de ética claro, deixa margem para que as pessoas ajam de acordo com suas convicções e quando se tem centenas ou milhares de colaboradores, isso pode causar sérios problemas.

Aliás, nesta matéria eu tenho uma teoria. Em relação à ética eu penso que existem quatro tipos de pessoas, e aí vão elas:

Pessoas que não têm preço

São aquelas pessoas retas, dignas, que não precisam de manuais, códigos e regras para lhe dar alguma orientação sobre o certo e o errado. Estas pessoas naturalmente agem em prol do bem comum, com respeito e tolerância e nunca, em hipótese alguma, se corrompem.

Pessoas que ainda não descobriram o seu preço

São pessoas dignas a princípio. Aliás, podem até passar a vida inteira com sua integridade imaculada, basta que não encontre uma oportunidade realmente interessante para se corromper.

Pessoas que podem ser compradas

Estão abertos a todo tipo de oportunidades. Pode levar uma vida relativamente correta, mas o oportunismo estranhamente é mais forte em alguns momentos e às vezes, mesmo tendo um bom padrão de vida ou um bom salário, ou mesmo sendo rico, pode facilmente vender-se.

Pessoas que estão em liquidação

São aquelas pessoas que “facilitam”, fingem que não estão vendo, dão uma “mãozinha”, matam, enganam e votam, por quaisquer dois reais. Não, dois reais não, elas estão em liquidação com uma placa de R$ 1,99 pendurada no peito!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

MICHAEL OLIVEIRA

Michael é Líder e Fundador do Instituto Brasileiro de Liderança. Atua em posições estratégicas há 20 anos, é especialista em gestão de negócios e já liderou equipes e empresas nas principais capitais do Brasil, ocupando cargos de gerência até CEO.

Leia também